sábado, 10 de novembro de 2012

Ser mãe em tempo integral é tenso...



Sim. Para o filho é ótimo, mas para mãe, nem sempre.

Eu decidi me dedicar ao Theo até 1 ano de vida dele. Após isso, coloquei na creche, daí, quem me lê sabe que ele ficou dodói 3 semanas, incluindo 9 horas de espera num P.S., várias consultas em pediatra e tomar soro na veia enquanto as mesmas estouravam e ele chorava de dor.

Ser mãe em tempo integral é ruim, mas ver meu filho doente é pior ainda. Tirei da creche.

Decidi então ficar com ele, até 2 anos e meio, 3 anos, pois não tenho ninguém de confiança da família para ficar e não confio em babá sem alguém por perto para monitorar.

Cá estou eu então. Minhas produções diárias variam de almoço-lanche-jantar, a trilha sonora diária varia de Galinha Pintadinha a choro estridente dependendo do momento, meus papos com adultos se restringem as queridas amigas-mamães virtuais (o que mantem minha sanidade) meu cenário as paredes da casa. Chato, muito chato. Se eu falar que é legal estarei mentindo e muito.

Claro que tem as compensações, ver meu filho saudável, acompanhar o desenvolvimento dele, ouvir gargalhadas dele nas nossas brincadeiras e é por isso que pago o preço CARO da famosa maternidade em tempo integral.

Caro porque minha rotina consiste em: preparar café da manhã. lavar louça. fazer almoço. brincar com bebê. lavar louça. ir ao mercado. colocar bebê para dormir. fazer janta. brincar com bebê. lavar louça. falar para bebê não segurar fios, não subir nos moveis. arrumar casa. dar banho. trocar infinitas fraldas. varrer casa.

Quando marido chega do trabalho eu "descanso" da vida de mãe preparando a nossa janta e organizando a casa. Olhem que legal. Só que não.

Ué, mas vc não sai? Saio. Semana passada fui ao shopping com minha irmã, fui toda feliz e contente e Theo não me deixou comer, queria derrubar tudo da mesa, não queria ficar no carrinho, não queria ficar no colo, não queria andar, só engatinhar no shopping, e chorava e chorava e todos me olhavam e voltei para casa arrependida e cheia de dor de cabeça.

No domingo fui ao Zoo, levar filhote para conhecer os animais. Ele amou, mas foi a mesma história. Não consegui comer, não queria carrinho, chorou e chorou. Voltei para casa com dor de cabeça e desanimada. Sair com criança pequena é um desafio.

Eu não faço nada para mim, não tenho com quem deixar Theo para fazer e vou ficar nessa mais um bom tempo. Tem dia que acho que vou enlouquecer se ouvir Hi-5 mais uma vez. Ou se tiver que repedir pela 1.5678 vez a frase "Não, Theo!"

Tem quem goste. Eu não gosto não e não vejo a hora do meu filho estar maiorzinho para voltar a ter um mínimo de vida própria.

Sigo repetindo o mantra: "É para o bem dele...é para o bem dele, vale a pena, essa fase logo vai passar." Tem dias que funciona. Tem dias que decido dormir de tédio.

19 comentários:

  1. Kkkkkkkkk, você é mega engraçada, amo seus posts. Me manda um email? Quero te dizer algo mas sei que vou esquecer de dizer kkkkkk. Bj

    ResponderExcluir
  2. Entendo seu desabafo. Mas nao desanime, se santifique, faça o seu melhor. Filho é pra vida. Quando ele estiver maior, te garanto que as preocupacoes vao ser outras. E quando estiver fora de casa, voce vai se lembrar que gastou tempo demais cuidando da casa e de menos cuidando do filho. Cuide do seu filho. Ele vai crescer. Beijo

    ResponderExcluir
  3. Entendo muito seu lado, nada nessa vida é flores, as pessoas tem uma visão muito errada da maternidade, eu por enquanto gosto de ser mãe em tempo integral, meu filho so tem 5 meses, mas tem dias que eu quero enlouquecer, sair por mundo, eu sempre fui muito ativa, sempre estudei e essa rotina é super complicada, tem dias que nao aguento mais ficar em casa, que quero tempo pra mim, mas acho que nem se eu trabalhasse eu não ia me sentir diferente, tipo só nao teria um dia chato em casa, mas poderia ter um dia chato e super estressante no serviço e ainda ter que chegar em casa cuidar e dar um tempo pro filho que ficou o dia todo fora de casa, acho que seria mil vezes pior! Quando for a época de por no maternal na escolinha aí vai ser um bom esquema, eu ate pensei em por em creche, mas nao vou achar nenhuma aqui no bairro como eu to querendo, só fora, o que vai complicar ainda mais a minha rotina depois...é tenso mesmo viu =)

    ResponderExcluir
  4. Como nada na vida é só alegria, sei que tem muita gente que não entende é porque ainda não foram mães, mas eu entendi exatamente tudo o que você quis falar. E por diversas vezes já me arrependi tanto de sair também.

    ResponderExcluir
  5. Querida, seria tão bom se encontrássemos o meio termo da balança, não? Eu sofro do mal oposto, não fico com a minha filha, não a vejo, não curto a sua presença e as suas descobertas, não dou bronca, não sou mãe o dia inteiro, só à noite e aos fins de semana...

    Seria excelente se conseguíssemos chegar ao ponteiro central da balança, mas como não dá, é tentar fazer o nosso melhor e já pensar no que podemos mudar, quando poderemos mudar e como poderemos mudar tudo isso.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá!!!

    Acabei de conhecer o seu blog atraves do blog de uma querida amiga e adorei tudo por aqui. Pra nao deixar de acompanhar suas postagens, já estou te seguindo. :)

    Se quiser conhecer o meu blog http://www.minhafamiliaehminhavida.blogspot.com.br/ será um prazer te ter por lá.

    bjinhos!

    ResponderExcluir
  7. Thatá,

    Me identifiquei muito com seu post! Sou mãe de um menino de 1 ano e 10 meses e tb optei por ficar em casa com ele, em período integral, até ele entrar na escolinha, lá para os 3 aninhos. Depois q ele for pra escola a ideia é voltar a estudar (vontade antiga da minha segunda graduação) ou trabalho de meio periodo. Aliás, não sei se não sei procurar direito, mas o q vejo no mercado de trabalho é que trabalho assim de meio periodo é raridade!
    Aí entendo pq tantas mulheres que optaram por se tornarem "mães integrais" acabam por trabalhar de um jeito mais informal, sem patrões, em sistema home office, etc. E acho que acaberei indo pelo mesmo caminho...
    Adorei seu blog!

    bjinhos

    ResponderExcluir
  8. Nossa, senhora, mãe eh tudo igual mesmo! rsrsrrs Eu tenho uma filhota de um ano e dez meses e estou passando exatamente o que vc passa.Depois que tive a Duda nao consegui voltar a trabalhar, meus pais já estão bem idosos, tbm nao posso contar com a familia do meu marido e pensar em colocar em creche ou uma baba pra cuidar dele, nem penso na hipoteses, nao confio mesmo, a gente vê tanta coisa ruim na tv que acabei adquirindo um certo " trauma' de creche e de baba. Tudo o que vc postou eu passo exatamente igual sem tirar e nem por , iclui tbm na hora dos passeios, tudo igual... rsrrsrsr. O melhor a fazer eh nao se sobrecarregar muito com as tarefas do dia e relaxar um pouquinho, se não der pra fazer tal coisa naquele momento, deixe pra depois e assim tenho conseguido nao ficar tão assoberbada e nao me estresso tanto.

    Thatá, minha flor, gostaria muito de lhe agradecer por sua visitinha e dizer que vc eh muito bem vinda. espero com sinceridade que esse seja um passo para uma bela amizade.

    Fique sempre com Deus!!!

    Mil bjocas e tenhas um otimo feriadao!

    :*********

    ResponderExcluir
  9. thata! tudo bem? recentemente descobri o seu blog e tenho acompanhado sempre e tbm já li os posts anteriores rsrs Como me identifico com vc rsrs passo por tudo isso tbm! Sou mãe em tempo integral e pra piorar moro longe da minha familia (sou de BH, mas moro em SP) o que significa que enm se eu quisesse teria com quem deixar o Samuel, hoje com 1 ano e 1 mês! Maridão tbm trabalha e ajuda no que pode, mas ainda assim é dificil né?! Ô rotina estressante essa!!! tbm tô mega cansada! TÔ vendo se faço academia a noite pra esfriar a cabeça de birra de bebê (o marido ficaria com o baby), mas chega a noite eu estou pregada pra sair de casa... como faz??? kkkkk bjsss vc bem que podia morar em SP hein? ia ser ótimo ter uma mae amiga por perto! :-) Bjs Juliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não moro em Sampa, mas podemos nos falar por email: docematerna@gmail.com
      Bjoooo =*

      Excluir
  10. Desculpa te desanimar mas quando ele crescer, as preocupações vão ser outras! Quando ele for adolescente e passar horas fora de casa você vai se preocupar e se irritar por ele não atender celular. A Mel ainda está com 5 anos mas vejo por experiencia de amigas! hahaha Tem dias que realmente é chato, que da uma vontade de jogar tudo para o ar e deixar eles lá chorando mas dai eles vem com aquele sorriso, falando mamãe ou qualquer coisinha e já morro de amores e esqueço tudo. Contratei uma babá para ficar em casa comigo, e se eu precisar ela fica sozinha com eles e isso tem me dado um bom descanso! Ela comentou com meu marido que esses dias sumi e ela não sabia onde eu tava, foi me procurar e me encontrou no quarto dormindo, isso no meio da tarde! Eu fiquei um bom tempo olhando ela com as crianças pela babá eletrônica até que vi que ela estava se dando super bem com eles, desencanei e dormi feliz da vida. Mas vê com o marido para contratar uma babá (ou até mesmo uma tia, são só algumas horinhas e ela não vai morrer! hahah) só por uma noite, para vocês terem um tempo só de vocês e esquecer um pouco do Theo, de birra de tudo!
    Beijos, Bruna.

    ResponderExcluir
  11. Thatá, que angústia, né! A gente sabe o quanto é bom ficar com os nossos pequenos, mas a gente precisa de equilíbrio, como tudo na vida! Luquinha tambem ficou doente à beça quando entrou na creche, mas eu nao tenho essa opcao. Nao tinha como parar de trabalhar. Ficava com o coracao na mao, mas tive que resistir. E agora ele esta indo bem! É claro que eu sei que vira e mexe ele vai ficar doentinho, mas faz parte. Uma hora ele para de ficar, vai ter mais defesas e as coisas vao ficar mais fáceis. =)
    Essa tia, sua irma, nao pode ficar com ele de vez em quando? Ai vc vai no shopping sozinha e relaxa um pouco! Quando minha sogra ficava com Luquinha, eu deixava tudo pronto para ela (mama, papinha, fruta etc). Isso diminuia o trabalho dela ao cuidar dele. Pode ajudar! =) Um beijo grande!!!

    ResponderExcluir
  12. Eu sei bem como é, eu mesma me estresso muitas vezes... e ainda não tenho amigas nem pela internet, vejo blogs, comento, mas não converso com ninguém, nunca vi ninguém.

    também repenso mil vezes antes de sair de casa com o Linus, pq eu sou magrela fraca, e me esgoto demais por carregar mochila e quem dirá ele e a mochila, é muito mais que 1/4 do meu peso.....


    vc mora em sp? de repente pode rolar uma visita, um passeio de fim de semana.

    ResponderExcluir
  13. Thatá,
    É a primeira vez que passo por aqui e estou amando. Sou nova - e viciada - nos blogs que falam da maternidade.
    Minha filha só tem três meses. Felizmente (ou não!) eu trabalho com o meu pai, e respeitarei o meu tempo para voltar a trabalhar.
    Hoje, digo que pretendo ficar entre 8 meses e 1 ano com ela, sem trabalhar. Para, depois, colocá-la na creche. E, acho que como todas as mães, já sofro o conflito. Acredito tanto que as crianças precisam da nossa presença. Mas como fazer? Por outro lado, são só 3 meses em casa e muitas vezes já me sinto monotemática. Ainda mais neste momento, quando mal saímos com a cria. Não sei se quando sair mais e mais de casa com ela, esta sensação vai passar. Seria tão bom se pudéssemos ajustar nossos horários aos nossos filhos, para atender perfeitamente à demanda deles...

    www.confissoesdarecemcasada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Adorei seu texto.
    É muito difícil para algumas mulheres admitir que não estão plenamente realizadas sendo mães em tempo integral. Agradeço todos os dias por poder escolher como será essa fase da minha vida e não precisar agir somente por necessidade. Sempre fui muito ativa, trabalhei desde cedo (hoje tenho 27), fiz faculdade, abri uma empresa com meu marido e engravidei. O pós parto para mim foi muuiiitooo intenso, não cheguei a ter depressão mas foi uma melancolia bem intensa e com hormônios a mil por hora. Eu saía e estava super ativa a até a véspera da minha bolsa romper, então, passar da atividade intensa a somente cuidar do bebê foi meio complicado. Sei que cuidar do bebê não é tão fácil mas com o tempo a gente pega o jeito e vai meio que no piloto automático é fisicamente intenso mas não exige muito mentalmente, e isso pra mim é um problema, não consigo ficar parada e com a cabeça vazia. Sempre fui uma pessoa ansiosa e durante o período pós parto essa ansiedade, foi intensificada. O primeiro mês de vida de Duda foi psicologicamente difícil para mim, a adaptação a nova rotina foi complicada. Com 15 dias comecei a fazer acupuntura 2x por semana e cheguei a cogitar ir ao psicologo. Mas graças a Deus o tempo me ajudou e hoje estou SUPER tranquila. Duda está com 3 meses. E já não sou mais mãe em tempo integral, apesar de ter decidido colocar ela no berçário com 1 ano e 2 meses, aos poucos voltei a trabalhar em home office na minha empresa. Minha rotina de trabalho é em função dela, fiz um acordo com meu sócio/marido e faço o que der porque nossa prioridade é nossa filha. Mas, esse retorno parcial ao trabalho, junto com o retorno para academia (vou de manhã cedinho e deixo os dois dormindo em casa), o começo da natação de mão/bebê e outras escapulidas (tenho que confessar que tenho sorte, minha madrinha ficou comigo no primeiro mês de Duda e com 15 dias já escapuli de casa com o maridão para almoçar fora... rsrsrs)tenho conseguido manter a minha sanidade mental. Por que, ficar o dia todo em casa, sozinha, sem novidades, somente com um bebê e a televisão é muito chato mesmo.
    Desculpa o texto longo mas foi a primeira vez que achei que poderia compartilhar meu sentimento e ser entendida.
    aicha.s@hotmail.com

    ResponderExcluir
  15. Pode ter certeza que eu sei o que vc passa, meu filho tem 2 anos e nunca foi à creche, decidi ser mãe integral. É exaustivo sim, vc não vive a sua vida mesmo. Mas esse é o preço que se paga para ter nosso amor maior perto da gente, poder participar da educação deles, estar ao lado quando eles dão o primeiro passo, falam a primeira palavra... Um dia eles vão crescer e vc vai querer dar tudo para poder voltar a esse tempo.. pense nisso!! bjs

    ResponderExcluir
  16. Pode ter certeza que eu sei o que vc passa, meu filho tem 2 anos e nunca foi à creche, decidi ser mãe integral. É exaustivo sim, vc não vive a sua vida mesmo. Mas esse é o preço que se paga para ter nosso amor maior perto da gente, poder participar da educação deles, estar ao lado quando eles dão o primeiro passo, falam a primeira palavra... Um dia eles vão crescer e vc vai querer dar tudo para poder voltar a esse tempo.. pense nisso!! bjs

    ResponderExcluir
  17. Amei saber que tantas mulheres estão passando pela mesma situação... eu estou assim...tem dias que acho que vou surtar. Mas é tão ruim até mesmo comentar com alguém. Parece que estamos reclamando dos nossos filhos. Eu estou muito feliz de poder ficar com ele este período mas que é MUITO DIFÍCIL...ISSO É...as vezes sinto vontatde só de ficar sozinha...tomar um café, fazer as unhas...wow disso eu sinto falta e tomar um banho demoradooo rs. Maridos não entendem. Nem falo mais nada...parece que só reclamamos. Só quem passa por isso pode compreender que não é arrependimento nem reclamação, é um desabafo porque são muitas e muitas anulações...claro que é maravilhoso acompanhar o desenvolvimento mas ninguém fala que vc terá olheiras, se alimentará mal, não terá pique pra muitas outras coisas...
    aí te perguntam...por que não sai com ele...porque é muito muito estressante tb...
    sei que sentirei saudades desse tempo mas quero sim que ele fique maiorzinho e eu possa ter um tempinho pra mim...

    ResponderExcluir
  18. Nossa quanta besteira !!! Não é o fato de trabalhar fora ou não!!! de qualquer jeito as mães dedicam a sua vida toda pelo filho!!! eu daria TUDO pra poder ficar com minha baixinha!!! Não sei como conseguem não ficar com um pingo de remorso.. acho q pelo fato de só estarem pensando em vocês mesmas...

    ResponderExcluir

E você? O que pensa sobre isso?